JR
GIANTS, Cleuson LIMA DO ROSARIO from Brazil, Barra da Tijuca, from the beach, © Comité international Olympique, Rio de Janeiro, Brazil, 2016
impressão colorida, montada em dibond, plexiglas
124,5 x 180 x 6,5 cm

Após encontrar uma câmera fotográfica no metrô de Paris, em 2001, JR decidiu viajar pela Europa para conhecer aqueles indivíduos que se expressavam em muros e fachadas de prédios, fazendo seus retratos e os expondo nas ruas. Graças às suas grandes intervenções em espaços públicos, JR torna visível fenômenos e pessoas que costumamos ignorar. Os retratos que cria são radicalmente simples e trazem expressões questionadoras, penetrantes, observadoras e solenes, que chamam nossa atenção e permanecem na nossa consciência por muito tempo depois de terem sido vistas. Em colaboração com New York City Ballet, OSGemeos, Agnès Varda, Robert De Niro e muitos outros artistas,  concebeu filmes, instalações, intervenções e outros trabalhos em diferentes meios.

Ao desenvolver seu processo, JR se esforça para envolver as populações locais na realização de suas proposições. O artista  chama a atenção do público, para além dos visitantes típicos de museus, ao espalhar seus trabalhos nos edifícios das periferias de Paris, nas paredes do Oriente Médio, nas pontes quebradas da África ou nas favelas do Brasil. Em cada um de seus projetos, ele procura atuar como testemunha de uma comunidade. E seus habitantes não apenas veem os trabalhos, eles também os fazem. Mulheres idosas  tornam-se modelos por um dia; crianças  transformam-se em artistas por uma semana. A prática de JR não separa atores de espectadores e promove o encontro entre o sujeito/protagonista e o transeunte/intérprete, levantando questões, criando vínculos sociais, reunindo comunidades, conscientizando pessoas, sem deixar de lado o humor.

 

JR nasceu em Paris, em 1983. Ele vive e trabalha entre Paris e New York. Algumas de suas últimas exposições e projetos individuais incluem: JR: Chronicles, no Brooklyn Museum (2019), em Nova York, Estados Unidos; The Chronicles of San Francisco, no San Francisco Museum of Modern Art (SF MoMA) (2019), em San Francisco, Estados Unidos; Momentum. La Mécanique de l'Épreuve, na Maison Européenne de la Photographie (2018), em Paris, França; Chroniques de Clichy-Montfermeil, no Palais de Tokyo (2017), em Paris, França; Kikito, uma instalação temporária na fronteira México/Estados Unidos (2017); JR at the Louvre, no Musée du Louvre (2016), em Paris, França. Exposições coletivas recentes incluem: JR, Adrian Piper, Ray Johnson, no Museum Frieder Burda (2019), em Berlim, Alemanha; Refuge, no 21c Museum (2019), em Bentonville, Estados Unidos; Post No Bills: Public Walls as Studio and Source, no Neuberger Museum of Art (2016), em Purchase, Estados Unidos; e Tu dois changer ta vie, no Tripostal (2015), em Lille, França. Seus trabalhos fazem parte de importantes coleções públicas de instituições como: Museum of Modern Art (MoMA), Nova York, Estados Unidos; Palais de Tokyo, Paris, França; Hong Kong Contemporary Art Foundation, Hong Kong, China; entre outras.