marco a. castillo
Córdoba (Horizontal), 2020
madeira e vime
95 x 239 x 40 cm

O cubano Marco A. Castillo é um dos membros fundadores do coletivo Los Carpinteros, criado em Havana, em 1992. O grupo tem como preceitos a renúncia à autoria individual e a prática baseada na junção de elementos e formas da arquitetura, do design e da arte. Seus desenhos e instalações partem da observação de elementos materiais do nosso cotidiano. Esses aspectos são reelaborados para explorar a relação entre o funcional e o não funcional, assim como a relação entre arte e sociedade.

 

Para além do grande reconhecimento que o coletivo obteve internacionalmente, Castillo também se destaca pela produção autoral individual. Em sua carreira solo, ele atua na intersecção entre belas artes e as artes aplicadas e decorativas, questionando preconceitos estéticos. Castillo se debruça sobre elementos do modernismo e do design soviético, deixando a tradição cubana transparecer nas técnicas, como a treliça, e nos materiais, como o mogno, que empregada em sua produção. Como títulos de seus trabalhos, aparecem, muitas vezes, referências a nomes de proeminentes arquitetos e designers modernos de Cuba. Uma homenagem que evita o completo esquecimento de toda uma geração de criadores.

 

Marco A. Castillo nasceu em Havana, Cuba, em 1971. Atualmente, vive e trabalha entre Havana, Cuba, e Madri, Espanha. Entre suas exposições individuais recentes estão: The Decorator’s Home, no UTA Artist Space (2019), em Los Angeles, Estados Unidos; El susurro del palmar, na Galerie Peter Kilchmann (2018), em Zurique, Suíça; El otro, el mismo, no KOW (2018), em Berlim, Alemanha; La cosa está candela, no Museo de Arte Miguel Urrutia (2017), em Bogotá, Colômbia. Pariticipou de inúmeras edições da Bienal de La Habana, Havana, Cuba (2018, 2015, 2012); e da 13th Sharjah Biennial, Beirut, Líbano (2017). Seus trabalhos integraram inúmeras exposições coletivas, tais como: Latin American Work on Paper, na Mayor Gallery (2018), em Londres, Reino Unido; Everyday Poetics, no Seattle Art Museum (2017), em Seattle, Estados Unidos; No Place Like Home, no Israel Museum (2017), em Jerusalém, Israel; Contingent Beauty: Contemporary Art from Latin America, no Museum of Fine Arts (2015), em Houston, Estados Unidos. Suas obras figuram em importantes coleções institucionais, tais como: Centre Georges Pompidou, Paris, França; Centro de Arte Contemporáneo Reina Sofia, Madri, Espanha; Daros Foundation, Zurique, Suíça; Solomon R. Guggenheim Museum, Nova York, Estados Unidos; Tate Modern, Londres, Reino Unido; e Whitney Museum of American Art, Nova York, Estados Unidos; entre outros.