dan graham
Wave Form I, 2016
aço inox e vidro
230 x 421 x 406

Com mais de cinco décadas de produção, Dan Graham é um dos principais expoentes da arte conceitual ainda em atividade. Com a John Daniels Gallery, por ele fundada em 1964, Graham pôde entrar em contato com os artistas emergentes de sua geração, em especial aqueles que se tornariam representantes do conceitualismo e do minimalismo, como Sol LeWitt, Robert Smithson e Donald Judd, entre outros. Influenciado por um cenário efervescente e pela proximidade com essas práticas, Graham começou a desenvolver suas propostas, articulando prática curatorial e crítica a diversas linguagens, entre elas instalação, escultura, performance, fotografia e vídeo.

 

Sua podução baseia-se no diálogo entre arte e arquitetura e no debate sobre as relações entre obra de arte, espaço urbano e público no contexto da cultura de massas. É comum o entrecruzamento entre prática artística e intelectual, como se pode ver em Homes for America (1966), publicado na revista ArtsMagazine, que lhe rendeu ampla visibilidade. Nessa obra, composta por uma série fotográfica e um ensaio escrito, ele documenta o desenvolvimento dos subúrbios de Nova Jersey (EUA), onde cresceu. O engajamento crítico de Graham torna-se mais contundente a partir do final da década de 1970, quando começa a realizar sua famosa série Pavilion, composta por estruturas formadas, em especial, por vidro espelhado. No interstício entre arquitetura, escultura e site-specific, à superfície dessas estruturas de formas simples – geométricas ou curvas – sobrepõe-se uma série de reflexões – visuais e cognitivas – sobre espaço ao redor, combinando interior e exterior e, consequentemente, desorientando a percepção do público.

 

Dan Graham nasceu em Urbana, Estados Unidos, em 1942. Atualmente, vive e trabalha em Nova York, Estados Unidos. Recentemente, realizou as seguintes mostras individuais: Fashion and Architecture, na Francesca Minini Gallery (2019), em Milão, Itália; Beyond Walls, no Sirius Arts Centre (2018), no Coundado de Cork, Irlanda; New Works By A Small-Town Boy, no Regen Projects, em Los Angeles, Estados Unidos; Greatest Hits, no Red Brick Museum (2017), em Pequim, China; Works That Are Fun For The Family, no Museum of Contemporary Art (2017), em Zagrebe, Croácia. Seus trabalhos figuraram nas mostras coletivas: Des mots et des choses, no Fonds Régional d'Art Contemporain (FRAC) (2019), em Bretanha, França; Life to Come, na Metro Pictures Gallery (2019), em Nova York, Estados Unidos; Faith Love Hope, no Kunsthaus Graz (2018), em Graz, Áustria; Maré, na Filomena Soares Gallery (2018), em Lisboa, Portugal, e I am you, you are too, no Walker Art Center (2017), em Minneapolis, Estados Unidos. Seu trabalho pode ser encontrado em inúmeras coleções institucionais, tais como: Chicago Art Institute, Chicago, Estados Unidos; Inhotim Centro de Arte Contemporanea, Brumadinho, Brasil; Museum of Modern Art (MoMA), Nova York, Estados Unidos; Tate Gallery, Londres, Reino Unido, e Whitney Museum, Nova York, Estados Unidos, entre outros.

Press

  • os subúrbios norte-americanos de dan graham View article

    os subúrbios norte-americanos de dan graham

    Duda Kuhnert, Revista Beira 5.9.2015
  • glass act: dan graham's latest installation offers a new perspective on marseille Download

    glass act: dan graham's latest installation offers a new perspective on marseille

    Jake Cigainero, Wallpaper 15.6.2015
  • the met’s roof opens for summer with mirrored dan graham pavilion View article

    the met’s roof opens for summer with mirrored dan graham pavilion

    Sarah Cascone, Artnet 28.4.2014