Alexandre Arrechea. New Theatre, 2019. Cortesia do artista e Galeria Nara Roesler.

Press Release

Galeria Nara Roesler | Nova York tem o prazer de apresentar Corners, uma exposição com trabalhos inéditos de Alexandre Arrechea. Composta por obras em papel, papelão e tapeçaria, a mostra dá continuidade à série homônima do artista, a qual "nasceu de um desejo de criar uma semelhança visual com Havana", segundo o próprio artista. Em foto-montagens cuidadosamente construídas a partir das fachadas da cidade, Arrechea cria imagens que se referem a representações de rostos, especialmente aqueles presentes em máscaras tribais. A mostra será a segunda individual do artista na Galeria e o primeiro em sua filial em Nova York.


O trabalho de Arrechea emprega metáforas visuais para temas sociais, como desigualdade, privação de direitos culturais e a disputada posição da arte em uma sociedade global movida pela mídia. Como Lowery Stokes Sims observa, ele “usou consistentemente formas e motivos arquitetônicos para transmitir estados emocionais e políticos”. Como muitos artistas de sua geração, Arrechea manipula símbolos e materiais de maneira ambivalente, fazendo com que o espectador se afaste sem um ponto de vista específico sobre o trabalho. Em Corners, o artista procura uma “fusão entre mundos excludentes” criando colagens feitas a partir de um grupo de fotografias de esquinas dos edifícios de Havana; locais de encontro conhecidos no tecido urbano. Em alguns casos, as esquinas de lugares anônimos são colocadas sobre aquelas com uma profunda ressonância histórica. Sobrepondo imagens, levando em conta simetria, proporção, texturas, luz e sombras; os vários fragmentos de construção são reordenados em uma nova coexistência e identidade.


Sobre a série, Arrechea afirma: “Cada retrato se torna uma forma de 'engenharia social'. As esquinas de escolas, teatros, postos de gasolina, mercados e delegacias de polícia são forçados a obedecer a novas lealdades. Há esquinas que falam, esquinas que observam, que escutam, riem e permanecem em silêncio. Com a passagem do tempo e da maturidade, esses retratos se tornaram complicados a ponto de serem mapas que zombam da ordem da existência e dão lugar a novas suposições. Cada retrato é uma celebração da singularidade da esquina e seu potencial simbólico, onde a cor e os diversos acabamentos superficiais são os principais protagonistas ”.