sobre

A Galeria Nara Roesler tem o orgulho de anunciar a exposição individual de Cristina Canale (Rio de Janeiro, RJ, 1961), com curadoria de Luis Pérez-Oramas. A mostra abre no dia 8 de Setembro de 2021, e celebra a primeira individual da artista nos Estados Unidos, apresentando uma seleção da sua produção mais recente.

 

A artista despontou na década de 1980 como parte do icônico grupo do Rio de Janeiro conhecido como Geração 80, agremiação de jovens artistas que buscavam se desvincular das práticas artísticas herdadas do passadas. Desde então, Canale tem produzido uma obra pictórica inigualável, caracterizada pelo incansável questionamento das potencialidades da pintura, através de composições elaboradas que nublam os limites entre o figurativo e o abstrato. A exposição se debruça sobre a produção mais recente de Canale, apresentando uma seleção de obras capaz de oferecer reflexões sobre o entrelaçamento entre os gêneros tradicionais da pintura de retrato e de paisagem, sugerindo uma nova fronteira simbólica em sua produção.

 

Nas palavras do curador Luis Pérez-Oramas, “A ausência voluntária de vultus – isto é, de expressividade facial - nos retratos de Cristina Canale é compensada pelo complexo aparato cromático da pintura, como se a arquitetura da forma e da cor que lhes confere presença na superfície da pintura pudesse complementar sua falta de expressão. Prodigiosamente expressivos apesar de suas faces sem rosto, estes retratos permanecem um enigma que nos questiona através da frontalidade da pintura. É a pintura que nos olha. Entre os trabalhos mais recentes de Canale estão alguns retratos particularmente significativos, na medida em que apresentam um surpreendente – e novo – dinamismo lateral. Rostos representados em perfil emergem e marcam, com sua ação e seu efeito, a lateralidade do campo pictórico: um sopro, a fumaça de um cigarro, um olhar que não encontra o nosso, mas que, no entanto, o convoca. O fato de que os rostos nos retratos não nos interpelam frontalmente (...) define outra dimensão para o encontro, ativando particularmente as bordas, sua ressonância lateral, sua potencialidade em determinar o espaço para além de seus limites materiais.”

 

As obras recentes de Cristina Canale propõem um diálogo com a tradução da pintura ao criar trabalhos que justapõem e esvaziam contradições, e talvez de modo mais preponderante, propõem uma nova forma de unidade. Como outros artistas representados por Nara Roesler, Canale alcançou um enorme sucesso, assim como reconhecimento institucional no Brasil. A exposição oferece ao público dos Estados Unidos uma oportunidade inédita de se aprofundar na prática e no universo de uma pintora brasileira fundamental cuja obra continuamente propõe novas formas de desafiar as estruturas da linguagem pictórica e que ainda aguarda para ser completamente revelada na América.

 

Vistas da Exposição