raul mourão  seta/rua/rio - composição 2, 2014  pigmento mineral sobre papel fotográfico de algodão  34 x 94 cm
raul mourão  sombra / chão, 2012  aço 1020 e lâmpada  66,5 x 50 x 50 / 32 x 57 x 28
raul mourão  tração animal, 2012
raul mourão  toque devagar, 2012  tubos de aço e grampos / instalação praça tiradentes, rio de janeiro  dimensões variáveis
raul mourão  balanço maré i (para bela e lia), 2011  tubos de aço e grampos  710 x 500 x 400 cm
raul mourão  cuidado quente, 2010  vista da exposição, galeria nara roesler  dimensões variáveis
raul mourão  entonces, 2004
raul mourão  sem cabeça / sem braços , 2002  madeira e pregos  158 x 72 x 24 cm / 189 x 43 x 24 cm
raul mourão  a grande área, 2001  ferro pintado  2040 x 4190 x 260 cm
raul mourão  buraco do vieira, 2001
raul mourão  casa/árvore/rua, 1996
raul mourão
seta/rua/rio - composição 2, 2014
pigmento mineral sobre papel fotográfico de algodão
34 x 94 cm

Raul Mourão é reconhecido por sua produção multimídia, composta por desenhos, gravuras, pinturas, fotografias, vídeos, esculturas, instalações e performances, na qual se destaca seu olhar sempre permeado por um senso de humor crítico sobre o espaço urbano. Inspirado pela paisagem urbana (inicialmente do Rio de Janeiro, sua cidade de origem), o artista cria a partir de observações do real, desenvolvendo propostas que transitam entre o documental e a ficção. Suas obras, constituídas por materiais diversos, apresentam um vocabulário plástico que inclui elementos da visualidade urbana deslocados de seu contexto cotidiano, num processo de ressignificação que estimula reflexões sobre o lugar e seu corpo social.

 

Mourão iniciou sua produção artística na segunda metade da década de 1980, participando de exposições a partir de 1991. Realizou em 1989 os primeiros registros fotográficos sobre grades de proteção, segurança e isolamento presentes nas ruas do Rio de Janeiro, o que resultou em sua conhecida série Grades, sendo desdobrada a partir dos anos 2000 em esculturas, vídeos e instalações. Desde 2010, também como consequência de sua pesquisa sobre grades e sistemas de segurança, entre outras estruturas modulares de formas geométricas próprias do contexto urbano, Mourão desenvolve esculturas e instalações cinéticas de caráter interativo, que podem ser acionadas pelo público. Nesse núcleo de produção, entre outros aspectos, o artista estabelece uma associação entre a problemática da violência urbana implícita em suas obras anteriores e uma preocupação formalista com o equilíbrio estrutural.

 

Nascido no Rio de Janeiro/RJ, Brasil, em 1967, Raul Mourão vive e trabalha entre Rio de Janeiro, Brasil, e Nova York, EUA. Frequentou os cursos da Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV-Parque Lage), Rio de Janeiro, em meados da década de 1980 e formou-se em Arquitetura na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mourão vem realizando diversas exposições no Brasil e no exterior, dentre as quais se destacam as individuais: Você está aqui, Museu Brasileiro de Ecologia e Escultura (MuBE), São Paulo, Brasil (2016); Please Touch, The Bronx Museum, Nova York, EUA (2015); Tração Animal, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio), Rio de Janeiro, Brasil (2012); Processo, Studio X, Rio de Janeiro, Brasil (2012); Toque Devagar, Praça Tiradentes, Rio de Janeiro, Brasil (2012); e as coletivas: Ready Made in Brasil, Centro Cultural Fiesp, São Paulo, Brasil (2017-18); Artistas comprometidos? Talvez, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal (2015); All the best artists are my friends (Part 1), MANA Contemporary, Nova Jersey, EUA (2014); From the Margin to The Edge, Sommerset House, Londres, Inglaterra (2012); Projetos (in)Provados, CAIXA Cultural, Rio de Janeiro; Travessias: Arte Contemporânea na Maré, Centro de Arte Bela Maré, Rio de Janeiro, Brasil (2011); Ponto de Equilíbrio, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brasil (2010); e Mostra Paralela 2010 – Contemplação do Mundo, Liceu de Artes e Ofícios, São Paulo, Brasil (2010). Participou de bienais, como: Vancouver Biennale 2014-2016 – Open Borders Crossroads Vancouver, Vancouver, Canadá (2014); 5ª e 7ª Bienal de São Tomé e Príncipe, São Tomé, São Tomé e Príncipe (2008 e 2013); 3ª Bienal do Mercosul, Porto Alegre, Brasil (2001). Possui obras em importantes coleções institucionais, como: Itaú Cultural, São Paulo, Brasil; Museu de Arte do Rio (MAR), Rio de Janeiro, Brasil; e Coleção Gilberto Chateaubriand – Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio), Rio de Janeiro, Brasil.

Exposições