eduardo navarro  five minutes ago, 2016  escultura (capacete capaz de inverter tempo)  the eccentrics, 2016. sculpture center, nova york, eua
eduardo navarro  octopia, 2016  instalação, performance  octopia, 2016. museo tamayo, cidado do méxico, mx
eduardo navarro  timeless alex, 2015  escultura, performance  surround audience, 2015. new museum triennial, nova york, eua
eduardo navarro  titulos, 2015  instalação. mural com aproximadamente 700 títulos imaginários o artista escreveu durante 8 anos.  la era metabólica, 2015. malba, museo de arte latinoamericano de buenos aires, argentina
eduardo navarro  xyz, 2015  escultura, instalação, performance  the past, the present, the possible, 2015. 12 sharjah biennial, emirados árabes unidos
eduardo navarro  poema volcánica, 2014  roupa anti-chamas sob medida, mochila, estante de bamboo, colagens  12 bienal de cuenca, 2014. cuenca, equador
eduardo navarro  horses don't lie, 2013  instalação, performance  weather permitting, 2013. 9 bienal do mercosul, porto alegre, brasil
eduardo navarro  orbita, 2013  performance  ensayo de situación, 2013. di tella university, buenos aires, argentina
eduardo navarro  tratamiento homeopatico para el rio de la plata, 2013  instalação, ânfora com nux vormica  aquella mañana, 2013-2014. parque de la memoria, buenos aires, argentin
eduardo navarro  el dorado, 2010  there is always a cup of sea to sail in, 2010. 29 bienal de são paulo, brasil
eduardo navarro  water purifying station, 2009  grito e escuta, 2009. 7 bienal do mercosul, porto alegre, brasil
eduardo navarro  anexo, 2006  instalação  jardines de mayo, 2006. buenos aires, argentina
eduardo navarro
five minutes ago, 2016
escultura (capacete capaz de inverter tempo)
the eccentrics, 2016. sculpture center, nova york, eua

Eduardo Navarro atribui à arte a capacidade de produzir novas possibilidades de percepção sobre o mundo que nos rodeia. Em sua obra, confronta uma diversidade de entidades, estudando-as empiricamente, isto é, a partir da experiência sensível. No momento em que realiza essas abordagens, Navarro recorre a vários especialistas de áreas alheias à arte com a intenção de alterar práticas e comportamentos preestabelecidos.

O artista aborda cada projeto como um novo estudo de caso que lhe permite investigar formas de pensar e expressões estranhas à percepção humana e trabalha com o interesse de analisar como outros organismos e elementos se sentem e percebem. O grande desafio na de sua prática é tornar-se o que está sendo investigado. Dessa forma, Navarro propõe mudanças que proporcionam transformações de estado, possibilitando novas compreensões sobre o que já é conhecido.

A obra de Eduardo Navarro tem sido apresentada em diversas exposições ao redor do mundo, incluindo várias bienais como:: SeMa Biennale Mediacity Seoul 2016, Seúl, Coréia do Sul (2016); 3rd New Museum Triennial, Nova York, EUA (2015); 12th Sharjah Biennial, Sharjah, EAU (2015); 12th International Biennial of Cuenca, Cuenca, Equador (2014); 7a e 9a edições da Bienal do Mercosul, Porto Alegre, Brasil (2009 and 2013); 29a Bienal Internacional de Arte de São, São Paulo, Brasil (2010); e EV+A International Ireland's Biennial of Contemporary Art, Limerick, Irlanda (2009). Projetos e exposições individuais incluem: Into Ourselves, The Drawing Center, Nova York, EUA (2018), e Der TANK, Art Institute – FHNW Academy of Art and Design, Basel, Suíça (2017); Octopia, Museo Rufino Tamayo, Cidade do México, México (2016); We Who Spin Around You, High Line Art, Nova York, EUA (2016); e Órbita, Estadio River Plate, Buenos Aires, Argentina (2013). Principais exposições coletivas incluem: Metamorphoses – Let Everything Happen to You, Castello di Rivoli Museo d'Arte Contemporanea, Turin, Italy (2018); KölnSkulptur #9 – La Fin de Babylone. Mich wundert, dass ich so fröhlich bin!, Skulpturenpark Köln, Alemanha (2017); Sequences Art Festival #8 – Elastic Hours, Reykjavík, Islândia (2017); Tidalectics, Thyssen-Bornemisza Art Contemporary (TBA21), Vienna, Austria (2016); The Eccentrics, SculptureCenter, Nova York, USA (2016); e La Era Metabolica, Museo de Arte Latinoamericano de Buenos Aires (MALBA), Buenos Aires, Argentina (2015). Seus trabalhos fazem parte de importantes coleções institucionais, como: Museo de Arte Moderno de Buenos Aires (MAMBA), Buenos Aires, Argentina; Sharjah Art Foundation, Sharjah, EAU; e Thyssen-Bornemisza Art Contemporary (TBA21-Academy), Viena, Áustria.