+

Tomie Ohtake nasceu em Kyoto, Japão em 1913 e viveu em São Paulo, Brasil, de 1936 até a sua morte no início de 2015. Começou a trabalhar profissionalmente como artista aos 39 anos, mergulhando em uma exploração da abstração primeiramente na pintura e expandindo mais tarde, para gravura e escultura.

Desde sua primeira individual em 1957, foi tema de inúmeras exposições em importantes instituições como o Museu de Arte Moderna de São Paulo; o Museu de Arte Contemporânea de Hara, Tóquio; Museu de Arte de Mori, Tóquio; Barbican Centre, Londres; Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro; além de uma grande uma retrospectiva no Instituto Tomie Ohtake em São Paulo, por ocasião de seu centésimo aniversário. Participou de inúmeras bienais internacionais, incluindo a Bienal de Veneza, Havana, Cuenca e oito edições da Bienal de São Paulo. Desde a década de 1980, Ohtake produziu inúmeras esculturas públicas para cidades em todo o Brasil, incluindo obras icônicas em toda a cidade de São Paulo. Em 2001, o Instituto que leva seu nome abriu as portas em São Paulo com um programa dedicado a importantes exposições de arte contemporânea, arquitetura e design, além de preservar o legado do artista.

O trabalho de Tomie Ohtake integra coleções permanentes em todo o mundo, incluindo a do Museu de Arte Contemporânea de Hara, em Tóquio; M +, Hong Kong; Metropolitan Museum of Art, em Nova York; MASP, Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, São Paulo; MAM-SP, Museu de Arte Moderna de São Paulo, São Paulo; MAM-RJ, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro; MAC-USP, Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, São Paulo; MAC-Niterói, Museu de Arte Contemporânea de Niterói, Niterói; Coleção Patricia Phelps de Cisneros, Caracas; Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo; e Tate Gallery, em Londres. Tomie Ohtake é representado pela Galeria Nara Roesler desde a sua criação. 

Exposições

+

Press

+
  • mostra de tomie ohtake em NY é início de reconhecimento mundial Download

    mostra de tomie ohtake em NY é início de reconhecimento mundial

    Silas Martí, Folha de S. Paulo 16.3.2016
  • tomie ohtake ganha destaque mundo afora Download

    tomie ohtake ganha destaque mundo afora

    Marcos Grinspum Ferraz, Brasileiros 16.3.2016
  • mostra em nova york celebra tomie ohtake Download

    mostra em nova york celebra tomie ohtake

    Silas Martí, Folha de S. Paulo 15.3.2016
  • tomie ohtake exhibition Download

    tomie ohtake exhibition

    NY Elite Magazine 2.3.2016
  • diálogos da pintura abstrata em hong kong Download

    diálogos da pintura abstrata em hong kong

    Camila Molina, O Estado de S. Paulo 1.2.2016
  • Download

    "the world is our home. a poem on abstraction": para site’s cosmin costinas and inti guerrero – interview

    James Ellis, Art Radar 26.1.2016
  • modern abstraction with an asian sensibility Download

    modern abstraction with an asian sensibility

    The Wanderlister 21.1.2016
  •  world one poesia abstrata Download

    world one poesia abstrata

    ArtForum 12.12.2015
  • nipo-tropicália Download

    nipo-tropicália

    Inti Guerrero, Art Asia Pacific 1.5.2015

Canal

+

Texto Crítico

+
  • tomie ohtake: at her fingertips

    paulo miyada
    Tomie Ohtake: Nas pontas dos dedos I. Cortes de cores Na passagem entre as décadas de 1950 e 1960, a primeira incursão de Tomie Ohtake na pintura abstrata tornou-se conhecida pelo caráter 'cego' de um informalismo feito com intensidade e sem premeditação, muitas vezes com pinceladas lançadas, literalmente, de olhos fechados. A seguir, logo no princípio dos anos 1960, sua pintura condensou-se em formas mais claras, apresentadas em composições com nítida distinção de figura e fundo. As figuras, no caso, assemelham-se a formas geométricas simples, porém de contornos tremeluzentes, como se rasgadas com a ponta dos dedos. O que pouca gente sabe é que isso não é mera similitude: nessa época, a artista de fato começou a fazer estudos usando papéis coloridos retirados de revistas e rasgados à mão. Era uma forma de lidar com a instantaneidade do gesto e impregnar todo o processo de pintura com um teso equilíbrio entre acaso e controle. As composições encontradas por Tomie Ohtake nas diminutas colagens serviram de roteiro para pinturas...